Google+ ABS Gospel: Qual é o seu preço?

Ícones Sociais

rss feed facebook twitter google plus email

23 de dez de 2009

Qual é o seu preço?

O tsunami da corrupção que varre o Brasil nos leva a uma reflexão: Cada homem tem um preço? Isto é, dependendo da quantidade de moedas qualquer homem, de qualquer raça ou credo aliena sua consciência?
Com certeza, é exatamente assim que pensa a maioria dos brasileiros, principalmente com relação aos políticos, conforme recente pesquisa. E os que criticam os políticos do "mensalão", do "mensalinho", do "valerioduto" e do "caixa dois" não fariam a mesma coisa se houvesse oportunidade? 

Vale relembrarmos o que disse Ruy Barbosa: " De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, e a ter vergonha de ser honesto."

Há homens em nosso Brasil que não se envergonham de suas virtudes. Há homens, sim, que não se vendem, qualquer que seja o montante colocado em suas mãos. Mas está cada vez maior o número dos que se contaminam com o vírus da corrupção. Por isso, faz-se a maior festa quando aparece um honesto no meio da multidão. É recebido até pelo Presidente da República.

A mídia noticia com destaque quando um motorista de táxi devolve certa quantia deixada por engano no seu veículo, ou quando um garoto pobre devolve ao seu legítimo dono um celular caríssimo encontrado na rua. Em entrevistas na televisão e jornais, esses espécimes raros são convidados a dar explicações sobre tão nobre gesto.

Ora, vemos aí uma inversão de valores. Quem deveria ser notícia é aquele que não devolveu o bem ao legítimo proprietário. Não apropriar-se do que não é seu é um ato normalíssimo. Aliás, deveria sê-lo, segundo os padrões de moralidade.  Todavia, sabemos que a desonestidade passou a fazer parte da vida brasileira. Vivemos a geração da lei de Gerson, a de "levar vantagem em tudo". Os fins justificam os meios.  Dito isto, pergunto: Qual é o seu preço?

Diante de tal pergunta, negamos qualquer procedimento que venha denegrir nossa imagem de homens probos, corretos, honestos, cônscios de suas obrigações. Julgamos que os deslizes praticados em oculto, na calada da noite, longe dos olhares, são garantia de impunidade.  Nossas camufladas e pequenas corrupções do cotidiano já não provocam qualquer dor de consciência, pudor ou desconforto na alma.

Estamos cada vez mais despudorados e desavergonhados.  Acã, como relata a Bíblia, pensou que sua apropriação indébita estivesse muito bem escondida. Judas achou que as trintas moedas da traição lhe garantiriam um porvir feliz. Vamos fazer o dever de casa:

Para que a mercadoria fique por um preço mais baixo, você é capaz de comprá-la sem nota fiscal?  A desonestidade não é medida pelo montante em dinheiro envolvido, mas pelo propósito, pela intenção.  O "mensalão" pode ser de dez milhões ou de dez reais. Quem aceita dez reais, aceita cem, quinhentos mil ou um milhão. Por onde entra um boi, entra uma boiada.

Você está disposto a subornar um guarda para que ele não registre a sua infração no trânsito? Ou você aceita pacificamente a multa?

Você apresenta ao seu patrão um atestado médico "frio" para deixar de trabalhar em determinado dia?

Você, empresário, não assina a carteira de trabalho de seus empregados e não concede o que lhes é devido, tais como FGTS, férias, décimo terceiro salário e outros benefícios trabalhistas?

Você compra artigos de contrabando e de pirataria, mesmo sabendo tratar-se de negócio ilegal? Você inclui valores indevidos na sua declaração de imposto de renda para obter maior restituição ou menor pagamento de imposto?

Se o caixa de um banco ou de qualquer empresa lhe der, por engano, um troco acima do devido, você prontamente faz a devida devolução, ou você apenas diz que "esse dinheiro caiu do céu?"  Antes de apontarmos nossos indicadores para os que venderam suas consciências e meteram a mão no dinheiro público, através de muitas e variadas falcatruas, precisamos fazer uma introspecção.

Será que não estamos contribuindo de algum modo para engrossar as águas da corrupção? Ou melhor, será que não somos corruptos e corruptores mirins a espera da oportunidade ideal para fazermos o grande lance, a grande jogada, a cartada decisiva?

Um abismo chama outro abismo. Estamos assistindo ao vivo e em cores um festival de mentiras descaradas. Homens, que há poucos dias ostentavam o título de presidente ou diretor de alguma empresa; ou excelentíssimos parlamentares que deveriam ser exemplo de honestidade para os jovens, mentem de forma vergonhosa. E se escondem atrás de um habeas-corpus para que possam continuar fugindo à verdade.

Diante desse quadro de horror, somos levados a pensar que todos são desonestos até que se prove o contrário.

A Bíblia é o mais perfeito código de ética e moral, porém desprezada por muitos. É proveitosa para o ensino, para a repreensão, correção e instrução na justiça, "para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra." [II Timóteo 3:16 e 17]

O processo do "novo nascimento" produz no homem a capacidade de dominar as paixões infames. Assim, mediante a lavagem no sangue purificador de Cristo, a voz da corrupção não terá poder sobre nós. Não importa se o preço oferecido seja um punhado de moedas, ou de um bilhão de dólares.

Opine sobre essa matéria!